PUBLICIDADE
Topo

Terra à vista!

Como os tchecos piratearam Indiana Jones para derrubar o comunismo

Conteúdo exclusivo para assinantes

Felipe van Deursen

05/09/2021 04h00

Foto: iStockphotos

50º04'N, 14º25'L
Praça Venceslau
Cidade Nova, Praga, Tchéquia

Em um mundo de restrições políticas, culturais e sociais, uma fanfic pode alimentar revoluções. Aconteceu na Praga dos anos 1980. A praça principal da capital da então Tchecoslováquia, acostumada a servir de palco de grandes acontecimentos, estava tomada por manifestantes quando o maior arqueólogo do mundo chegou à cidade. Ele mesmo, Indiana Jones.

Como o herói do chicote foi parar ali? Hora de olhar o diário de anotações do intrépido viajante.

No século 9, a dinastia dos Premíslidas emergiu como a soberana de um novo ducado que surgiu na Europa Central, a Boêmia (uma das regiões históricas que formam a atual Tchéquia). Borzivógio (ou Bořivoj), o primeiro desses duques, ordenou a construção do Castelo de Praga, enorme complexo que incluiria capelas, torres e igrejas, como a Catedral de São Vito, cuja primeira versão foi erguida sob ordens de Venceslau, o duque da Boêmia quando corriam os anos 920.

Vista aérea do Castelo de Praga e da catedral de São Vitus. Foto: iStockphotos

Era uma época violenta, com ameaças de dentro e de fora do pequeno ducado. Em 935, Venceslau foi assassinado em um complô comandado pelo próprio irmão, Boleslau. O crime o elevou à condição de mártir e, depois, à canonização.

No século 14, incorporada ao Sacro Império Romano Germânico, a Boêmia viveu sua idade de ouro sob o reinado de Carlos IV, que fez de Praga a residência imperial e fundou muitas instituições. Em 1348, ele implementou uma série de mudanças urbanísticas na cidade, que incluíam praças, mercados e outras áreas abertas. Um desses marcos da Cidade Nova (Nové Město) era o Koňský trh, o Mercado de Cavalos.

Ao longo dos séculos seguintes, esse mercado medieval de equinos se desenvolveu como um importante centro comercial, enquanto Praga, sob domínio dos Habsburgo austríacos, que assumiram o controle do país a partir do século 16, ganhava palácios barrocos e jardins.

Na década de 1890, boa parte da Cidade Nova foi demolida e reconstruída, ganhando os contornos atuais. A paisagem que abobalha zilhões de turistas todos os anos é essa mistura de 900 anos de arquitetura europeia.

O fim do século 19 era uma época de nacionalismos, de construção de identidades e heróis nacionais. Então, o local ganhou um novo nome, Praça Venceslau. Uma enorme estátua equestre representando o santo e padroeiro da Boêmia foi inaugurada, em 1912, em frente ao Museu Nacional.

REVOLUÇÕES

Estátua do Rei Wenceslas, na praça homônima, em Praga. Foto: iStockphotos

O século 20 desfilou na praça (que na verdade é mais um bulevar do que uma praça). Em 1918, a independência da Tchecoslováquia foi declarada nela – o novo país surgia em uma Europa toda redesenhada após a Primeira Guerra e o fim dos impérios Alemão, Austro-Húngaro e Turco-Otomano.

Em 1945, no Levante de Praga, uma violenta revolta dos tchecos contra os nazistas, que invadiram o país em 1938, diversos prédios foram destruídos. Em 1968, soviéticos e seus aliados do Pacto de Varsóvia invadiram a Tchecoslováquia para suprimir a Primavera de Praga, movimento de manifestações públicas e reformas políticas que chamou atenção do mundo todo (e irritou os socialistas, que dominavam o país).

Cinco meses depois, em janeiro de 1969, no meio da praça, o estudante Jan Palach ateou fogo no próprio corpo em protesto contra a invasão. Em março, a seleção tcheca de hóquei no gelo derrotou a União Soviética no Campeonato Mundial, o que levou uma multidão à Venceslau para comemorar a vitória e se manifestar contra a ocupação.

Em 16 de janeiro de 1989, no aniversário de 20 anos da morte de Jan Palach, milhares de pessoas se reuniram na praça. Elas voltaram, dia após dia, e o ato virou um protesto barulhento contra o regime, já decadente. A polícia reprimiu, e muita gente foi presa.

Indiana Jones estava lá naquele dia e precisava escapar para voltar para casa. Essa é a premissa de The Adventures of Indiana Jones in Wenceslas Square in Prague on January 16, 1989, jogo de computador que colocava o herói no centro dos acontecimentos do país.

Trata-se de um joguinho simples, em que toda a diversão e a mecânica se baseiam em textos – em 2020 ele foi ressuscitado na internet. O que o torna especial é o contexto em que foi criado.

O primeiro filme do arqueólogo, Indiana Jones e os Caçadores da Arca Perdida, estreou na Tchecoslováquia em 1985, longos quatro anos após ser lançado. A janela que permitia a exibição de produções ocidentais no país era estreita, então tudo chegava atrasado ou sequer chegava.

Tela de início do jogo, na versão de 2020

Isso sem contar, é claro, a pirataria. Um símbolo dessa repressão cultural nos países da Cortina de Ferro é o Muro de Lennon, que passou a ganhar grafites e cartazes pró-liberdade e democracia após a morte de John Lennon, em 1980, e que fica, justamente, em Praga.

Indiana fascinou os tchecoslovacos desde o princípio. Tanto que alguns jovens programadores, como František Fuka – inspirados pelas aventuras e levando a imaginação a preencher as lacunas deixadas pela falta de informação em um mundo com imprensa controlada e raro acesso ao entretenimento ocidental – passaram a desenvolver jogos estrelados por Indiana. Não preciso dizer que direitos autorais eram uma preocupação mundana, era tudo na base da fanfic marota, da pirataria malandra (tinha até um certo Indiana Joe no meio deles).

Um punhado de jogos, sempre aventuras baseadas em texto, tipo um livro-jogo eletrônico, surgiu nos anos seguintes, tendo Indiana Jones como herói. Faziam sucesso pelo teor subversivo que significava ter em mãos algo que escapou da censura, mas também porque eram escritos em tcheco (a maioria dos poucos jogos disponíveis eram em inglês, idioma então pouco dominado). Fuka criou alguns deles, virou uma referência do assunto e até dublou filmes de Hollywood, que chegavam contrabandeados e eram repassados de mão em mão em cópias de VHS.

O título ambientado na praça Venceslau em janeiro de 1989 saiu pouco após aquelas manifestações e fez parte de toda uma mídia alternativa ativista que ganhou corpo contra o governo por meio de músicas, panfletos e samizdat (manuscritos de obras banidas que circulavam ilegalmente, segundo uma reportagem do site Ars Technica, que conta a história de Indiana em Praga). Mas não se sabe quem o criou. Nem Fuka sabe. O(a) autor(a) usou um pseudônimo, por temer represálias.

SUCO DE ANOS 80

Foto: iStockphotos

Indiana Jones não foi o único ícone oitentista a virar videogame clandestino na Tchecoslováquia. Rambo também deu seus pulos.

No filme soviético The Detached Mission, o major Shatokhin se infiltra em uma base militar americana e desmonta uma operação da CIA que planejava sabotar as negociações de desarmamento entre americanos e soviéticos. O longa foi lançado em 1985, pouco após Rambo 2 – A Missão, e foi visto como a resposta russa ao personagem de Sylvester Stallone.

Então, em 1988, um programador tchecoslovaco resolveu juntar Rambo e Shatokhin em um mesmo jogo. A ideia inicial era ter o major russo como vilão, mas ele temeu a repercussão. Então, Shatokhin, o jogo, coloca você em uma base soviética com a missão de matar Rambo.

O jogo era uma grande sátira do socialismo, com direito a foice e martelo na tela inicial. Um humor semelhante ao de Broforce, que em 2014 ridicularizou as testosterônicas loucuras imperialistas americanas. Além disso, como bom jogo das antigas, Shatokhin tinha seus códigos secretos: ao digitar K-G-B, você passava a controlar Rambo. Coisa linda.

Praça Venceslau, novembro de 1989 (foto: wikicommons)

No fim daquele histórico 1989, a Venceslau voltou a se agitar. Entre 17 de novembro e 29 de dezembro, milhares de pessoas tomaram a grande praça e outros pontos de encontro no país em uma série de protestos não-violentos contra a repressão, o autoritarismo, a pasmaceira econômica e a favor da libertação do dramaturgo Vacláv Ravel, líder da oposição.

A Revolução de Veludo, como ficou conhecida, derrotou o regime. É preciso lembrar (infelizmente) que em 1989 o socialismo soviético era algo real, não um fantasma sem sentido usado para alimentar correntes de fake news e manifestações apalermadas nas redes sociais.

No ano seguinte, Ravel foi eleito presidente e liderou a redemocratização. No primeiro dia de 1993, após a separação ser aprovada, a Tchecoslováquia virou história e deu lugar à República Tcheca e à República Eslovaca. Praga seria a capital dos tchecos e Bratislava, dos eslovacos.

Em 2016, a República Tcheca mudou de nome. Na verdade, adotou a forma abreviada e solicitou à ONU que a incluísse em sua base de dados. Assim, República Tcheca é a denominação formal, assim como a República Federativa do Brasil ou os Estados Unidos Mexicanos. Tchéquia é o nome abreviado.

Todos esses acontecimentos fizeram com que The Adventures of Indiana Jones in Wenceslas Square in Prague on January 16, 1989 se tornasse um símbolo dessa época de transformação e uma obra fictícia quase profética. Venceslau, em seus mil anos no imaginário popular como duque, mártir, santo, herói nacional e padroeiro, também é personagem de videogame.

Índice de posts do Terra à Vista

Sobre o autor

Felipe van Deursen é jornalista de história. Autor do livro 3 Mil Anos de Guerra (Ed. Abril), foi editor da Superinteressante e da Mundo Estranho e colunista da Cosmopolitan. Gosta de batata, de estudar e de viajar.

Sobre o blog

Os lugares mais curiosos e surpreendentes do mundo e a história (nem sempre tão bela nem tão ensolarada) que cada um deles guarda. Um blog para quem gosta de saber onde está pisando.